Esta casa foi-me oferecida, em tempos, pela minha namorada como prenda de Natal. Cresceu, sobreviveu e continua a resistir…
É apenas mais um blog que fala de coisas, coisas que, por vezes, estão ligadas ao dia-a-dia de duas mulheres que vivem juntas e acreditam que têm uma vida exactamente igual à da maioria dos casais, apenas com a diferença de lá por casa o tampo da sanita nunca ficar para cima :P


quarta-feira, 31 de março de 2010

Sangue de 2.ª categoria

A propósito da questão da exclusão dos homossexuais como dadores de sangue, por supostamente constituírem um grupo de risco, surgem-me algumas questões:

Um chefe de família com ar respeitável e umas noites bem promíscuas fora de casa pode doar sangue à vontade porque supostamente não pertence a nenhum suposto grupo de risco??

E a questão mais pertinente:

Todo o sangue que é doado não é analisado rigorosamente para despistar qualquer tipo de doença?!?!

Então porquê excluir supostos grupos de risco?!?!

Julgava que o objectivo era salvar vidas e não discriminar dadores!

12 comentários:

Anónimo disse...

Aos homossexuais que queiram dar sangue, só lhes resta mentir ao responder a essa questão.
Eu sei que não é correcto mas, as alternativas são poucas...

rv disse...

as estatísticas dizem que actualmente, e de há uns tempos para cá, a incidência é nos heterosexuais e não homosexuais, o q ainda me dá mais vontade de rir.

Avidni disse...

nem mais! tem toda a razão.

Avidni disse...

nem mais! tem toda a razão.

Papoila e Orquídea disse...

É verdade que a incidência é superior nos heterossexuais relativamente aos homossexuais. Mas também é verdade que há mais heterossexuais e, analisando proporcionalmente, há mais homossexuais HIV+ no total de homossexuais que heterossexuais HIV+ no total de heterossexuais. Enfim, percebo o ponto de vista deles mas não, não concordo em parte com isto.

A questão também é: os exames HIV podem dar alguns falsos negativos (principalmente quando a pessoa foi infectada recentemente). O que faz com que o sangue possa estar contaminado e a análise ao mesmo dê negativa. Esta exclusão dos homossexuais é uma forma de minimizar estes casos e, se virmos bem, faz algum sentido. Já que a incidência de HIV dentro do grupo de homossexuais masculinos é superior à incidência de HIV nos heterossexuais.

No entanto, se uma pessoa for sincera no inquérito que é feito antes da doação, estes casos seriam já de si minimizados (já que seriam excluídas as pessoas que constituiriam um grupo de risco).

Enfim, tudo isto é um pouco polémico. De qualquer forma, eles não ganham nada em excluírem pessoas sem qualquer reflexão sobre o assunto. Por isso acredito que, com os conhecimentos mais aprofundados que têm sobre isto, tenham tomado a decisão mais correcta (mesmo que a nós não nos pareça).

Aparenta ser discriminação, e claro que entristece os homossexuais homens, mas temos que pensar que doamos sangue para dar saúde e vida a outros. E enquanto nós tomamos as devidas precauções, há amigos/conhecidos nossos também homossexuais que não as tomam. E esses devem ser excluídos com alguma margem de segurança. Infelizmente essa margem somos 'nós'. Mas um dia isso há de mudar.

*

(espero não ter sido muito confusa...)

Caramela disse...

a questão que a mim se coloca é, o que são exactamente grupos de risco? Quem decide quais são? E com base em quê?
Se me falarem de comportamentos de risco, ai tudo bem! E os comportamentos irão abranger tanto homossexuais como heterossexuais. Agora não se pode excluir um grupo só porque sim. E a ideia aqui parece-me ser exactamente essa. Exclui-se só porque sim.

Quanto à taxa de incidência do HIV/SIDA, ela é de facto maior actualmente nas mulheres heterossexuais dos 20 aos 35 anos. Agora podia dizer que elas são um grupo de risco e pronto, a partir de hoje já não podem doar mais sangue. Só se tiverem menos de 20 e mais de 35 anos.
E agora? Também se exclui as mulheres?

B' disse...

Tanto homossexuais como heterossexuais podem ter comportamentos de risco que levem à infecção do vírus HIV+: múltiplos parceiros, sexo sem protecção, uso de seringas partilhadas e por aí fora. E estes comportamentos não tem NADA a ver com a orientação sexual.

Até agora, como é dito aqui em cima, há mais homossexuais HIV+ no total de homossexuais que heterossexuais HIV+ no total de heterossexuais. Mas este ultimo grupo, por mais que queiram ignorar, está a crescer a olhos vistos. E a este grupo não é proibido doar sangue, que pode conter o vírus HIV+ e não ser detectado, que irá infectar outras pessoas!

Será que estes senhores, que caracterizam os homossexuais como grupo de risco, que deviam de estar mais informados do que ninguém sobre estes assuntos, ainda pensam que a SIDA é “a doença dos homossexuais”?? Que só os homossexuais a transmitem? Esses diabos em pessoa. [Que raiva!]

Papoila e Orquídea disse...

O sexo anal, devido à própria anatomia do anûs, tem maior probabilidade de contágio de doenças do que sexo vaginal. Para além disso, é mais fácil/provável um homem infectar o seu companheiro sexual do que uma mulher, por razões anatómicas e biológicas. São estas as razões que levam à definição de grupo de risco os homossexuais masculinos. São estes os comportamentos de risco em causa.
Em relação ao homem promíscuo, não me parece que ele seja aceite. Existem muitas questões que são feitas antes de alguém poder doar sangue, entre elas se teve algum contacto com prostituição ou se teve algum companheiro sexual novo nos últimos 2 ou 3 meses. É uma selecção rigorosa e há muito boa gente, que toma todos os cuidados que tem de ter, mas que não pode doar na mesma por ter um namorado novo há pouco tempo, por exemplo.
Compreendo que, pela forma como as coisas geralmente são apresentadas ao público, pareça algo descaradamente discriminativo, também me surpreendeu. Mas espero que estes dados vos ajudem a compreender um pouco melhor as razões. Ao querermos salvar vidas, evitam-se ao máximo os riscos... Correndo o risco de parecer exagerado.
Beijinhos*

Papoila e Orquídea disse...

http://www.fda.gov/BiologicsBloodVaccines/BloodBloodProducts/QuestionsaboutBlood/ucm108186.htm

Aqui têm as respostas da FDA, a Infarmed americana, o maior responsável pela regulamentação e supervisão de medicamentos(e não só) nos EUA, de grande relevância internacional.

http://www.cdc.gov/hiv/topics/surveillance/basic.htm

E aqui algumas estatísticas.
Assim já temos dados concretos =) *

Dantins disse...

Eu percebo esses factos, mas o que acaba por ser salientado é o aspecto de um determinado grupo ser excluído.
Se se questiona um hetero relativamente ao facto de ter tido ou não comportamentos de risco e se confia na sua resposta, na minha opinião também se deveria fazer o mesmo com os homossexuais masculinos.

@rco Íris disse...

não li os comentários acima (por isso não sei se me estou a repetir) mas, supostamente já não se fala em grupos de risco. as perguntas feitas no questionário deveriam ser dirigidas aos comportamentos de risco do individuo.

Inês disse...

Hoje em dia ninguém pergunta a quem quer doar sangue se tem relações homossexuais. Perguntam sim, se a pessoa tem comportamentos de risco...o que não me parece que seja sinónimo.